Pleiteia o reclamante a antecipação dos efeitos da tutela para depois da instrução processual, já prevendo que nesta conseguirá provar os fatos arguidos na inicial.

Em que pese a admiração que nutro pelos possíveis poderes premonitórios do reclamante, indefiro o pedido, pois não é possível antecipar coisa alguma com base no que poderá ser futuramente provado.

Dê-se ciência ao reclamante, por seu patrono.